Harpyja

Rotina

 

Minha mente é uma caixa de espelhos tipo de mágico,

Eu abro e não vejo nada, mas guardo versos trágicos.

As vezes eu tenho trégua e pensamentos sabáticos, 

Mas a maioria do tempo eu sei que sou dois seres problemáticos.

Eles são até simpáticos, talvez melodramáticos,

Mas rimam sendo enfáticos em quanto são pragmáticos. 

E quanto mais eu me esforço para ser mais carismático 

mais desenvolvo reais problemas psicossomáticos.

Me sentindo sempre um ser místico monocromático

enfiada em meus estudos sobre como ser mais prático.

Viver é absurdo nesse mundo diplomático.

Quero uma Vida Verdadeira, dizem que eu sou lunático. 

Se eu falo do Caminho já me xingam de fanático,

já nem se lembram que vivem num poço ideocrático.

Não quero entrar em filosofias nem ser tão socrático

E dizer de novo que eu só sei que nada sei dos fáticos 

E tudo é fictício ou teórico. Assintomáticos,

amanhã depois de hoje, de um jeito automático. 

Eu rimo enquanto me ensino, menino autodidático.

Meu medo é deixar subir a cabeça e ser traumático.

Ou pedir arrego no começo, e me manter estático

estando mantido preso e sendo aristocrático. 

Mente corrompida não serve pro sistemático.

Modelo de gado perfeito, povo votando apático.  

   

Todo dia eu rimo e todo dia eu oro.

Todo dia esqueço que todo dia eu choro.

Todo dia eu peço pro meu dia o mínimo.

 O pão de cada dia, Deus que eu não mereço.

Alma rima solo, salvação tem preço

pago em sangue puro, tantos tão caindo

de cima do muro pula no abismo.

Implora no escuro.Não estão vendo nem ouvindo.  

Comentários4

  • RafaelSP

    as palavras são fortes, gostei da poesia, se puder trabalhar na forma acredito que ficará melhor de ler. obrigado e continue escrevendo

  • Hébron

    Que poema extraordinário!
    Forte, com ritmo que nos prende.
    Principalmente na conexão das rimas em proparoxítonas interrompidas pelo 'gado apático', seguindo ao desfecho com maestria.
    Parabéns!
    Abraço

  • O aprendiz

    Sua capacidade de rimar é elevada. Meus parabens !

  • lucita

    Minha herdeira!
    Beijus!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.