Claudio Marcos Furtado Pinto

Inimigo Invisível


Quão pequeno és tu ,
Devastação de norte a sul,
Em pouco tempo se multiplica,
Se transforma em parasita,
Fazendo de hospedeiro a multidão,
Enclausura suas vítimas,
Ameaçando a civilização,
Mas se esquece que um dia,
Estará em extinção.
Quão pequeno és tu
Que um dia sumirá,
Temos fé em nome de Jesus,
A nossa vitória chegará.

  • Autores: Claudio Marcos Furtado Pinto
  • Visível: Todos os versos
  • Finalizado: 5 de Novembro de 2022 20:30
  • Limite: 6 estrofes
  • Convidados: Amigos (usuários da sua lista de amigos podem participar)
  • Comentário do autor sobre o poema: Poema criado com base na pandemia do COVID 19
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações:


Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.