Heidlara

O QUÃO SINCERA EU POSSO SER?

Queria te confessar algo
Mas não sei por onde começar
Só queria desabafar um pouco
Pra ver se consigo não chorar

 

Prometo que não sou má
Meus sorrisos são sem intenção
Sou apenas uma moça agitada
Que não deseja mal a ninguém

 

Ultimamente ando sem graça
Pensando em mil coisas erradas
As forças foram-se embora
E o que ficou foram lembranças passadas

 

Ao mudar de um Estado para outro
Imaginei transformações diferentes
Boba, boba, essa pequena ingênua
Diferente de quase todas

 

Os meus olhos pensam demais
O meu corpo só quer dormir
Minha mente luta uma guerra
Onde tento me sobressair

 

Grito por socorro SILENCIOSAMENTE
Tento, tento, tento, tento
Amigos, cadê vocês?
Deixa pra lá, depois eu comento.


FIM
Ass.: Heidlara Meireles

Comentários1

  • Flores e Poesia

    Sinceridade é uma coisa tão linda, poetisa Heidlara! Converse com Deus, com seus amigos e sua família. Tenho certeza que eles estarão prontos pra te ouvir e te ajudar. Um abraço! Que você possa vencer o desânimo e sair vitoriosa!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.