Maycon Vieira

Heloar


Aquela que ninguém ensinou a ser amada, a que está acostumada a receber pedras a flores. Quem já olhou nos seus olhos castanhos escuros, sabe que ali esconde uma boa menina.
Aquela que se esconde, que vive melhor sozinha do que bem acompanhada. Mas ela pouco teve o que realmente merecia. Já foi decepcionada, preterida, abandonada desde cedo e assim criou sua dura casca.
Quem será aquele audacioso que mostrará que a vida tem suas verdadeiras maravilhas? Ela duvida da bondade demais, amor demais, verdade de mais.
Aquela que aprendeu a ler de trás pra frente bem cedo, e que a vida não apresentou um primeiro amor de cara. A fez mostrar a decepção como um soco no estômago dado pelas próprias mãos.
Mas a boa menina se tornou astúcia rápido, desabrochou precocemente. Aprendeu a criar suas raízes e assim deu seu próprio fruto. Mesmo na corja de leões domou a própria vida em razão da sabedoria que a própria vida ensinou a pobre menina de olhos castanhos escuros.
Dedico este poema minha amiga/irmã Heloar.
- Maycon Vieira

  • Autores: Maycon Vieira
  • Visível: Todos os versos
  • Finalizado: 2 de Outubro de 2022 20:00
  • Limite: 6 estrofes
  • Convidados: Amigos (usuários da sua lista de amigos podem participar)
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações:


Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.