Marçal de Oliveira Huoya

Superstição

Há muito

Deixei de acreditar em mágicas

Em noites de lua cheia

Em bruxas, fadas, sereias,

Ah, era sempre o mesmo truque

Do não tenho nada em minha mão

Olhe o que vai aparecer

Preste muita atenção

Expectativa e pronto

A mão aparecia vazia

Eu levantava procurando meio tonto

Onde está a magia

Por que não volta amanhã

Quem sabe tenha sorte outro dia

Durante a noite, em plena madrugada

Minha bruxa guardiã

Desperta confessando ser fada

Fada madrinha, uma hora dessas acordada

Transformando o conto

Fazendo adivinhas e derramando encanto

A bruxa quer morder a maçã

Branca de Neve é a malvada

E Wendy é quem vem acordar Peter Pan...

  • Autor: Vênus (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 19 de Agosto de 2022 18:41
  • Categoria: Amor
  • Visualizações:
  • Usuário favorito deste poema: SANTO VANDINHO.

Comentários1

  • SANTO VANDINHO

    Triste e lindo poema ao mesmo tempo e uma Reflexão sobre a Magia que apesar de existir e com outros nomes sobreviver e divertir ! Paz e Bem Poeta !



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.