Petala_desconhecida

Pai

Pai

 

Ser pai,

E ser protetor,

E ter força em seu coração,

E por sua filha, 

Ser defensor.

 

Tristeza de te perder,

Amargura de por vezes,

Te querer amar,

Mais do que a mim própria,

E não conseguir,

Por minha paz interior,

Prejudicar.

 

Chorar,

Choraram os meus olhos,

Quando te foste,

Mas nada disso passou,

Pois só ódio restou.

 

Ódio,

De não teres sido um bom pai,

Tal como alguns outros não foram,

Passaram memórias,

Na minha cabeça,

De histórias de terror,

Que por nós,

Poisou.

 

Eu te gostava,

E ainda gosto,

Mas não pelas tuas atitudes,

E sim pelo facto,

De poder chamar te pai,

Mas na realidade,

Onde isso já vai.

 

2 anos se fizeram,

Depois da tua morte,

Tua filha sofre,

Por não te poder ter,

E por tuas ações,

Te perder.

 

Pai,

Estejas aonde estiveres,

Basta sentires,

O agrado de tua filha,

Não ficaram só coisas más,

Na verdade,

Também ficaram coisas boas,

Tua filha te odeia,

Mas ao mesmo tempo te ama,

Por em certos instantes,

Teres sido tu,

De por mais restantes.

 

Aqui fica a amargura de uma filha,

Por ter perdido um pai,

Que não soube ser,

Não por não querer,

Mas por orgulho ter.

 

Orgulho esse que ficou em mim,

De quando realmente te conheci,

E por aí vi,

Pensamentos e emoções,

Que jamais senti,

Quando te perdi.

 

Petala_desconhecida



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.