Mauro Verissimo

A Chave Mestra

A Chave Mestra


Sou o verso do poeta,
A obra do pintor,
A aquarela do compositor.
Ando pela estrada,
Ando pela chuva,
Tudo passa, nada fica.

O amor convida a todos para jantar,
Mas não se come quando está sem fome.
Em compensação, perde-se o doce sabor
Da deliciosa comida, ali estendida.

Por que lutar contra um sentimento
Que vem tão forte e pede para ficar?
Por que não se entregar,
A dádiva mais rica que pode nos encontrar?

As chaves são várias
Mas as fechaduras são poucas,
Não há como testar.
Por isso sou chave solitária,
Até que a minha fechadura venha a me encontrar.

Sou chave mestra, chave única,
Fruto de um casal de chaveiros,
Que me criaram para um único objetivo,
A fechadura certa encontrar.

Tarefa árdua e sem retorno,
O amor é assim, por isso vale a procura.
Não deixarei a luta, mas não lutarei,
Não deixarei o beijo, mas não beijarei.

O vento há de trazer a resposta sábia do que procuro,
A fechadura em forma de flor que,
Sendo primordial ao meu futuro,
É a única a acabar com esta tão malfadada solidão,
E trazer-me a sonhada e distante alegria,
Que tanto rezo em meus sonhos.
Sou chave..., mas sou humano.

 

#mauroverissimo



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.