Viglio Schneider

Há quem cobre de uma criança

Há quem cobre de uma criança
Aquilo que mesmo adulto não faz

Há quem cobre de uma criança
Que não faça barulho demais

Há quem cobre de uma criança
Que não fale demais

Há quem cobre de uma criança
Que não faça sujeira

Há quem cobre de uma criança
Aquilo que ela vai ser

Há quem cobre de uma criança
Que escute o que falo para aprender

Há quem cobre de uma criança
Não ter medo de ficar sozinha

Há quem cobre de uma criança
Que ela saiba andar na linha

Há quem cobre de uma criança
Aquilo tudo que lhe falta e faltou

Há quem cobre de uma criança
Que ela retribua sempre com Amor.

Há quem cobre de si, uma criança.
Mas eu a descobrirei desses véus de ignorância.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.