Marçal de Oliveira Huoya

Baú

Guarda 
Seu passado num baú 
Diz que não sabe
A chave não abre
O seu norte aponta 
Para o Sul
Veste roupas novas
Esconde as antigas 
São provas 
Usadas, manchadas
Para não serem mais vestidas 
Esquecidas 

Vida que foi tabu
Ao ser perguntada
Anda com pressa
Troca o passo
Muda o caminho
Com medo de ser condenada
Foge para floresta
E se protege nos seus espinhos 
Nas sombras de seu silêncio 
Tudo normal, nada sério 
Deixa no ar suspenso
O que é intenso
Dorme com o seu mistério...



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.