Marçal de Oliveira Huoya

Breve

Aplausos

São pássaros nervosos

Que voam por coisa nenhuma

E de repente se quedam desinteressados

E silenciosos

Porque não há noite estrelada

Que não se torne cotidiana

Tão mais comum uma estrela

Tanto mais próxima

E acostumada

Tão mais distante

E mais desejada

Ah! Essa certeza humana

Porque toda surpresa

Um dia entedia

O desejo de desejos

Porque não há Paraiso completo

A quem não falte uma maçã

Vendo a serpente como uma amiga

Uma saída, um amanhã

Vivendo de festejo em festejo

Almas kareninas

Entre o brilho e o breu

Uma história antiga

Uma vida dividida

Entre o eu e o eu...



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.