Thiago R

Serenos Violinos

Serenos violinos cantais pra mim,

Em noites frias de soledade,

Vós que exalais aroma de jasmim,

Com a voz melíflua da saudade. 

 

Velha cantiga que dizias assim:

"Teus olhos são tristes na claridade,

E ao brilho eteral d'um luar sem fim 

Colheste as flores mortas da saudade."

 

Guarda os ventos outonais quem chora,

Na estrada solitária relembrando 

Os olhares transitórios de outrora.

 

Era uma tarde cheia de mistérios,

Que ias o silêncio caminhando 

Com a paz que anda pelos cemitérios...

 

Thiago Rodrigues 



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.