len

lagoas rasas

posso ficar aqui mais um pouco? nesse teu abraço sem fim,
onde finalmente me senti completa, todas as noites,
quando vinha aqui escondido dos meus pais,
era tão bom... te ver chegando e logo ir para seus braços.

sentir teu beijo, ver como ouvia tudo com atenção,
qualquer baboseira que dizíamos, ríamos tanto,
você colocava suas mãos no meu rosto me levando de volta a realidade,
me aproximando dos seus olhos, o olhar de quem sabia o  que estava fazendo,
eu me perdi ali mesmo, foi quando percebemos o que estávamos procurando.

afinal eu sempre ando procurando algo, em alguém,
já que nunca encontrei em mim.
mesmo sendo passageiro, eu fui além igual em todas as vezes,
minha obsseção momentânea em me sentir amada e querer companhia, não se sentir sozinha.

me apeguei a você, igual a todos os outros que demonstraram o mínimo de afeição,
não é culpa sua, ir embora assim depois de conseguir o que queria...
normalmente com os outros durava menos, mas obrigada por estar aqui,
eu deveria ter um pingo de amor próprio, mas é impossível não sentir nojo e ódio sob mim.

era fatal, desde o momento em que começou com isso,
você sabia, tão fácil, tinha a isca e o peixe totalmente em suas mãos,
todo esse lago de decepções me cercam e só quero fugir, nadar para longe,
mesmo quando a fuga tem o preço de morder sua isca.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.