Marçal de Oliveira Huoya

Chá das 5

 

É falsa

A sua pele verdadeira

Descama camada após camada

Falsificada uma vida inteira

Camadas de seda suaves e aprazíveis

Interessadas, desinteressantes e interesseiras

Sutilezas combustíveis

Ao chá das cinco reúne convidadas

Serve chávenas de peçonha como se fosse mel

E sonha entrar no céu

Não tem vergonha

Bebam, bebam o chá

Sutil anfitriã ensolarada

Mas uma vez contrariada, chove aborrecida

Chora como se fosse descoberta

Molha-se para sentir frio, humilhada

Para que a vejam sofrida e molhada

Sutileza esperta

Isola a convidada em lágrimas

Em uma ilha

Suas comadres a cercam solidárias

Satisfeita com a execução sumária

Entrega o resto à matilha...

Comentários3



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.