JUCKLIN CELESTINO FILHO

ORGULHO

 

Com seu rico dinheiro,

Pode comprar mais ouro.

Pode comprar o que lhe

Convier no balcão peremptório.

Mas não compra saúde.

Não pode comprar a vida!

 

De cabeça mergulha

No orgulho,

Se achando o tal,

Mais importante

Do que na verdade é,

No plano existêncial.

 

Humilha , pisoteia pobres,

Negros, índios e pessoas

Que odeia única , perversa

E exclusivamente , pela cor

Da pele, pela posição social

A que pertença!

 

Esquece que somos matéria

Putrefata, e que todo

Sangue é rubro.

Viemos do pó

E ao pó voltaremos,

Pois toda carne é finita!

 

 
 

Comentários1

  • Jucklin Celestino Filho

    Quantos são assim, pela vida afora. Pensam que com dinheiro podem comprar tudo, inclusive saúde e a própria vida.Ilusão apenas ! Somos carnes finitas consumidas pelas bactérias decompositoras.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.