Junior

Passeios lunares

A caminhada por esta cidade de ares fúnebres, 
Faz aflorar lembranças que mantenho vivas no imaginário,
Este pobre relicário de memórias lúgubres ,
Que alhures jazia embrulhado num alvíssimo  sudário,

 

 Incansável pensar que mantém o ritual cortejo madrugada a fora,
Esta lívida senhora de feições melancólicas,
Que tangencia meu despertar de antes e do agora;
Sem demora esta madrugada é fria e também merencória.

 

Jardins de imensidão que povoam este triste itinerário em passeios lunares ,
Estes místicos luares a contemplar solidão,
Com tristeza e paixão caminho por entre campas floridas aos pares,
Nesta cidade cinza povoada de senão ...

 

Duvidas que surgem em cada viela e encruzilhada,
Na madrugada sombria ouço a coruja que chirria solitária,
Na mortuária cidade povoada de saudade enlutada,
Voo solene e  sem pausa da coruja na noite que silencia no vazio desta fria estrada itinerária.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.