hsdccnxb

Desânimo na vida cotidiana


Aviso de ausência de hsdccnxb
NO

Olho da janela do meu quarto: - Eu observo que bem acima dos céus algo que está desaparecendo, algo está apenas em contato com a neblina.  Sem muita delonga, sei que tem haver com meu coração.

Olho da janela do meu quarto outra vez: - E eu percebo que nada há no céu de beleza.  Sem muita delonga, sei que tem haver com meu coração.

Olho da janela do meu quarto novamente e olho outra vez  com perspicácia, olhar de detalhista e de quem olha e vê a vida como ela é : vejo galhos secos e uma calçada toda quebrada com o tempo. Sem muita delonga, sei que tem haver com meu coração.

Mas não é meu coração, na verdade é a juventude perdida para se ter anos de experiência.

Sei que já não dá para seguir nesse caminho, mas se eu continuar ou não continuar neste caminho, que fim eu teria?

Essa vida é puro tédio e desânimo, essa vida cotidiana, vida comum, vida sem começo ou final feliz.

O que posso fazer daqui para frente?

O que eu posso mudar?

O que seria de diferente?

 



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.