Thiago R

Velhas Lembranças

Como a bruma no céu que vai partindo,

No silêncio supremo d'uma prece,

Encanta-nos a tarde reluzindo,

Como a flor que no poente adormece. 

 

O canto melífluo d'um sino vindo,

Pelo prado silente que floresce,

Faz lembrar-me da lua me seguindo 

Nos caminhos que a saudade alvorece. 

 

Velhas lembranças de olhares amenos,

Alma perdida nos vales serenos, 

Onde andam as imagens do passado...

 

Trazes contigo a tristeza infinita,

D'uma tarde que encanta e ressuscita

Os aromas de um lírio perfumado. 

 

Thiago Rodrigues 

 



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.