Junior

Silêncio

Nesta madrugada vesti-me dum silêncio profundo,
Este fiel companheiro  jucundo,
De noturnas incursões alma a dentro;
Por certo este foste o juramento irretratável,
Silenciar em plenitude soturna incurável,
Este desejo imperscrutável  de silenciar que me consome,
Que escorre pelo ralo das incertezas em velocidade anímica ,
E transborda no profundo  vazio em persistência rítmica ,
Neste esgotamento,  pouco a pouco vou minguando no vale do esquecimento,
Este habitat natural das criaturas solitárias ;
Nestas noites silenciosas e tão mortuárias  ... segue companheiro amistoso do zodíaco
E conserva este teu ar hipocondríaco desde a aurora ao firmamento.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.