Junior

Tarde chuvosa

Nestas tardes cotidianas afogado em tristeza habitual,
É casual e rotineira a amargura em meu pranto,
Este pesaroso e fatídico ritual,
De certo esta secura lacrimal é resultado por eu ter chorado tanto.

 

Tristuras de um jovem que embriagava no triste espanto,
Bebia da lagrima salgada e amarga que fluía em meu rosto,
E não encontrava motivos para o meu pranto,
Talvez eu tenha nascido para viver em profundo desgosto,
De tristeza profunda vou definhando .

 

Frente a janela me levanto e avisto o céu de nuvens pesadas,
O sol de certo também chora,
Estas aguas em nuvens represadas,
Que fluíam em meu pranto de outrora.

Comentários1

  • Nelson de Medeiros

    Bom dia poeta.
    Excelente este poema. Prenhe de lirismo e embora a tristeza dos versos, encanta...

    1 ab

    • Junior

      Gratidão nobre poeta, vossa presença me motiva a prosseguir...um abraço.



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.