Junior

Desatino

Na noite turva e inóspita de meus pensamentos,
Eis que surge uma voz velada,
Sussurrando lamurias e lamentos,
Que ecoam em meus lábios... frases inacabadas,

 

Esta minha poesia traz pouco do amor nascente,
Este sol que queima no coração enamorado,
Talvez seja a voz rouca em minha mente,
Nestas manhãs bucólicas do cerrado,

 

 Minguam os galhos secos e entrecruzados na alvorada,
 Paisagens mortuárias que se erguem na madrugada fria,
O vento gélido combina com a lua prateada,
Esta flor de lotus alva que me faz companhia;

 

Amanhece e estas mesmas vozes vez em quando chorosas
Permeiam os meus dias monocromáticos;
Estas tardes cinzas que findam  lamentosas;
Neste meu viver sorumbático.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.