Helder Duarte

A Doença

Depois de muito pensar, decidi falar no assunto. Afinal já  lá vão 20 anos desde que tudo começou.  Durante estes 20 anos, sempre esperei que as instituições aqui mencionadas se decidissem a ter uma palavra para mim, mas nunca fizeram nada nesse sentido.  Para todos os que conhecem a  Bíblia sagrada, certamente todos se lembram daqueles dois leprosos que entraram no arraial dos sírios,  durante o tempo em que Samaria  estava cercada pelos sírios.   Eles entraram  no arraial, porque não havia alimentos em Israel, pois a cidade de Samaria estava cercada, pelos sírios.  Então  eles sem medo entraram no acampamento  e viram que os sírios tinha fugido. Assim sendo foram avisar o rei de Israel que naquele lugar havia alimento. Israel obteve assim alimentos. E depois  todos certamente  conhecem a história. Bem vou continuar. 

Em 1991 eu Helder dos Santos da Glória Duarte,  Começei  o meu ministério de pastor em Setembro desse ano. Começei  como pastor na vila de Monchique, depois de me casar em Agosto desse ano. Estive em Monchique  4 anos, isto é  até ao ano de 1995. Em Novembro  desse ano mudei para pastor em Évora , onde permaneci até 1999. Em Évora  adoeci com a doença de Parkinson . Foi então que recebi um convite, pela Assembleia de Deus do Porto para ir para a Missão desta igreja na vila de Moncão.  Depois de algum  tempo, a Assembleia de Deus do Porto entendeu que eu com a doença  de Parkinson, não  tinha condições para ser pastor. Durante um reunião que os líderes da igreja tiveram comigo, a minha naquele momento esposa e o meu filho que tinha 10 anos!  Disseram-nos que não  queriam que eu fosse pastor. Isto diante de uma criança e da minha esposa. E disseram que eu tinha  que sair daquela igreja por estar doente. Foi esta reunião na Urgeira em Valença do Minho. Eu simplesmente  disse que não saia. 
Mas depois de muita luta com eles e com a Convenção das Assembleias de Deus em Portugal,  que os apoiou. Consegui ficar  como pastor  daquela igreja até 2003. Depois mandaram-me como missionário  para Lamego, onde estive até 2005. Um ano depois de estar em Lamego, em uma reunião de obreiros da região  norte,  disseram-me que eu tinha que ir para a reforma. Depois de muitas réuniões com os líderes  da Assembleia de Deus do Porto,  às  quais fui eu e a minha esposa. Disseram-nos que deveria sair e ir morar ar para Alcobaça. Deveria pôr baixa e pedir a reforma. Assim eu fiz. Tinha  quarenta  e poucos anos quando isto aconteceu. No ano de 2006, fui reformado por invalidez com um pensão de 319.00 euros. Pedi ajuda a igreja, visto ter um filho naquele tempo criança. Mas simplesmente  me negaram essa ajuda. Eu entrei em grande stress, assim como a minha esposa. O resultado  de tudo isto foi que eu perdi a cabeça e entrei em caminhos imorais. A minha esposa não  aguentou a situação em que eu a coloquei. Algum tempo depois divorciei-me. Hoje estou numa instituição em Albufeira,  Unidade de Longa Duração e Manutenção  de Albufeira.  Tenho 58 anos. A conclusão que eu chego é  esta, que igreja não  me ajudou como o deveria ter feito. Portanto as igrejas são um engano. Deus sim é bom. Que Deus abençoe todos!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.