Jucklin Celestino Filho

MERA ILUSÃO ( ITABUNA, 1972)

 

Mente, finge, me engana, Safira:

Digas sorrindo que és meu amor,

Mesmo que seja mentira,

Para não zombares da minha dor!

Deixas aberta a ilusória chama,

Engano de quem ama!

 

Safira ou Sofia,

Não confundirei teu nome idolatrado:

Uma, é pedra preciosa de raro achado;

A outra, sabedoria

Que não tive ao ter amado

Alguém que não me queria.

 

Na inconsistência de um louco sonho,

Querer ter o céu, na terra estando,

Não pode o espinho , juntar-se à flor:

Um, fere a alma em tormento tamanho,

A outra,é encanto, o ambiente perfumando.

Mas logo esmaece. Perde da vida, o esplendor !

 

Fora mera ilusão, o que por ti sentira,

Desvairada cigana!

Segues, em busca, doidivana Safira,

De novas emoções!

A outros bobos engana !

Machuca, pisa insensatos corações !

 

 
 
 
 

Comentários1



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.