Maria Rodrigues

A verdade


A verdade causa dor profunda
é livre todo choro após ouvi-la
Ela vem inesperadamente,não confunda :
O que você ouviu com o pavor de engoli-la
A verdade é que já tive muita confiança
Tive mente aberta para aprender
Hoje luto pela volta da extrema esperança
Tão brilhante que eu era mas fui me perder
Brilhavam os meus olhos sem precisar de colírios
No espelho me via e sorria
Me sentia invencível
Invisível agora me sinto todo dia
Eu sabia que ia doer
Mas não queria ultrapassar
Essa barreira feita pra eu morrer
De sufoco ,falta de ar
Essa barreira pulei mesmo sem saber nadar
Percebi que afundei mas deveria ser rasa
Mas consegui boiar aos poucos nesse mar
Escolhi um caminho que destrói,arrasa
Estou chegando próximo ao bom resultado
Mas há pedras me ferindo lentamente
Me acostumei com a dor sentada ao meu lado
Me chamando pra dançar de repente
Mas vou grudar na parede que me fará alcançar
O resultado doloroso e excelente
Porque ser livre pra desistir mas querer insistir
Mostra que ainda quero aprender a nadar
Eu vou cuspir esse sapo que tive que engolir
E secar as mãos úmidas de tanto pavor
Vou botar fogo em todos meus medos,
Sairei desse mar me chamando de amor


Vivendo verdades que parecem mentiras,
E mentiras que mais parecem verdades,
Sem saber e perdido da realidade,
Afinal de contas,
O que faz da verdade,
Uma verdade?



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.