Junior

Amor perene

Escurece
Neste céu
De encantamento
E fenece
Qual véu
Meu pensamento
A alma perece
Enredando o fel 
Dantes dele o firmamento
No azul a finesse 
Fizeste breu 
Do sentimento
Quem dera pudesse
Ser seu...
Meus batimentos
E afastasse
Este meu
Abatimento...
Neste barco à deriva
Arrefecem os abraços
É chegado o frio
Da solidão
Na esquiva
Construo laços
Neste rio
De emoção
E vem surgindo
Por entre as  janelas
Dos meus olhos
Um sutil envolvimento
Há aurora lá fora
Ruindo a escuridão aqui dentro
No peito a rosa aflora
Em sutis batimentos
E passo a passo
Vou silenciando
O fastio
Com emoção
Há melodia no coração
Deste peito arredio
Que fez da glosa canção.
Amor perene e tardio.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.