As Rimas da Morte

Deise Zandoná Flores

 

 

Transgride a aura torpe e triste 
de suas desventuras.
Fabrica a lama na tenra chama 
de suas carnes cruas.


Quando só, foi pó, sem dó, de si caricatura.
Ora navega ondas, rememora sombras 
de outras mortes suas.

 

  • Autor: Deise Zandoná Flores (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 28 de setembro de 2021 20:52
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações: 13
  • Usuário favorito deste poema: Victor Severo.

Comentários1



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.