SILAS CRISPIM BATISTA SANTOS

Filizmina M-A


M-A
Não tente me entender, porque que não faço sentindo.
O que tu me fala e confunde meus sentidos
Pois minha visão só me mostra você
E pra onde eu olho só consigo te vê
O meu tato só senti você, seja meu braile que eu quero te ler
Meus ouvidos procuram tua vós
O seu cheiro é o que quero em meus lençóis
E pro meu paladar só serve seus lábios
Nada mais tem gosto ou é palatável
Não sei te entender, só quero te sentir
E saber com meus sentidos que ainda estais aqui
Se eu os perder, saberei que o meu sentindo é você...
Saibas que não precisas ter sentido, pois onde estiver será minha direção e o meu destino
E mesmo sem meu senso de direção saberei que meu abrigo é o teu coração
Pois nem toda lógica do mundo, me trazem o sentido, de não te ter como o meu mundo
Não te entendo, não me entendo, não entendo o destino, só sei que tenho sorte de por ti ficar perdidinho
E na imensidão de nada saber, sei que não preciso de outro sentido, pois o meu sentido ser você...



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.