Giovanna Marques

4 da manhã...

4 da manhã…

 

São 4 da manhã , já e passaram 72 horas do nosso término

Eu estou aqui mergulhando na certeza de que poderia ter sido diferente

São 4 da manhã e eu estou aqui, na sacada bebendo a nossa garrafa de vinho favorita

Vestindo sua camisa preferida lembrando o quão perfeito você ficava nela

Estou sentindo seu cheiro e vendo ele se transferir para meu corpo, um corpo que agora vazio está

As horas não passam

Cada vez mais sinto minha mente ficar insana

O que será que você está fazendo agora?

A cidade parece tão vazia e silenciosa

Acho que você está vagando sobre ela

Olhando as estrelas ligando-as para ver em que elas vão dar

Igual quando você ligava as sardas do meu rosto e depois de tocá-las com seus dedos suavemente

Dizendo que elas eram a constelação mais bonita do seu universo

Agora, elas estão sendo tocadas pelas lágrimas que saem dos meus olhos descontroladas e em desespero

Que falta faz você aqui…

São 4 da manhã e eu ainda escuto sua voz lenta se ecoar pelos meus ouvidos

Com ela vinha a minha paz

Você me trazia paz

Me fazia ficar em paz

São 4 da manhã e eu ainda e eu ainda me lembro do nosso primeiro contato

Nossos olhos se encontraram em meio a uma rua movimentada

Depois você sempre me olhava como se fosse aquela vez

A vez em que nossos olhares se conectaram

Dois olhares distintos em meio a multidão

São 4 da manhã e eu estou escutando a nossa música

Aquela que dançamos sob a luz da lua em uma terça-feira após nosso jantar ter sido um desastre

Você fez de tudo pra que aquele dia fosse perfeito

Acho que você não fazia ideia de que tudo se tornava perfeito só por você estar presente

Agora a imperfeição invade esse apartamento e com ela veio também a solidão

São 4 da manhã e eu ainda consigo sentir seu toque límpido em minha pele nua

Você era leve e sua leveza me levava a delírios

São 4 da manhã e eu ainda consigo sentir o gosto da sua boca doce junto a minha

A paixão escorria entre nossas veias , nossos corações se aceleravam e os olhos quase chegavam a lagrimar pela conexão inexplicável que tínhamos

São 4 da manhã e aqui, nessa sacada eu imagino você batendo na porta e eu correndo para te ver e te abraçar novamente, lentamente

Apreciar o momento de ter você de volta

Tenho necessidade de ver você novamente, sentir seu rosto, apreciar seu toque, saciar meu desejo da sua boca

Sinto necessidade de você

São 4 da manhã e eu estou em conflito

E você ?O que faz às 4 da manhã?

-Giovanna Marques

Comentários1

  • alana

    tô emocionada! você me fez sentir o que a rupi kaur me fez em outros jeitos de usar a boca. vou torcer pela sua felicidade, eu sei mais ou menos o quanto dói. mas a agarre no seu dom com as palavras mana

    • Giovanna Marques

      Muito obrigada, fiquei muito feliz com seu comentário



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.