Cientista fragmentado

Elevador

ELEVADOR

 

Acaso irreverente

sublime e interessante

daqueles que choca uma mente

numa ascensão intrigante

 

Ora pressionando um dezessete

há muito um número maldito

quem sabe se para isso fosse feito

um silêncio bendito

 

Nenhuma ligação fora feita

sequer incômodo almejado

apenas um questionamento sincero

e um aviso programado

 

Uma viagem de segundos

abraçada pela pressão

quem dera fosse da chegada

realmente uma emoção

 

No fim das contas a descida fora suave

cinco foram os meses de pura coragem

um acontecimento engraçado de tão ligeiro

fadado ao estopim de um passageiro

num silêncio cômodo naquela cabine

cuja viagem ao fim define

um sentimento curioso

enfim reside



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.