Paulo Roberto Varuzza

Amor, flores e vento


Aviso de ausência de Paulo Roberto Varuzza
NO

 

O canto do vento ao soprar os cabelos dela,

Eu o ouvia de longe como uma canção  de lamento

No entanto era ensurdecedor e triste ao mesmo tempo

E dos meus ouvidos saíam lágrimas, portanto,

De dor e de tristeza,

Que secavam com o sopro do vento,

Desde então, o meu coração bate num compasso mais lento,

Lamentando-se por não ter ouvido este canto

E sua lentidão acompanha o pranto,

Que é chorado baixinho num canto do muro,

Que separa o meu coração do coração dela,

Um choro de dor e de amor chorado por mim,

Com dor no peito porque o meu coração bate lento

Mas sente amor por ela,

Que permanece em silêncio, ouvindo também o canto,

Escondida num canto aberto ao vento no quarto dela

E permanece sem amar o meu amor,

Um amor que não é preguiçoso

E vai buscar num jardim flores sem espinho,

Colhidas com a ajuda de uma pequena foice,

Como ele é meticuloso, escolhe as mais belas flores

E as corta e as recolhe do chão com um ancinho

E as carrega nas mãos e as deposita aos pés dela,

Como demonstração de ternura e de carinho,

Mas os pés dela revolvem a terra dura

E encobrem as flores

E o meu coração e eu choramos

Novamente.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.