Carta de quarentena.

_zeroforconduct

Como tens estado?
Pergunto angustiado
Sofrendo por não ter passado 
o devido tempo ao seu lado.
Peço que antes de qualquer coisa
perdoe minha petulância
de querer ser de grande relevância 
após tanto tempo sem ter lhe avisado do meu real estado.
Com as mãos trêmulas e lágrimas em meus olhos
digo relutante: te amo a todo instante.
Não tenho muito tempo de vida
A morte me espera na estrada ao longo da via.
Por favor, cuide-se... em breve estarei junto de ti, não em corpo, quão menos em alma, mas em espírito.
Juro cuidar-te como nunca fizera antes, abraçando suas dores constantes.
Amo-te.
De seu eterno amado, que para o túmulo há de ser levado.

  • Autor: Zero (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 13 de junho de 2021 13:03
  • Categoria: Carta
  • Visualizações: 14
  • Usuário favorito deste poema: KeySch.

Comentários1

  • Maria dorta

    Presságio? Pressentimento? Ou somente construção poética? O poema tem engenho e arte. Espero que tudo seja só criação poética. Menos o amor, é claro!chapéu!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.