Elfrans Silva

IDENTIDADE DE NAMORADOS

 


Quando te conheci, eu não sabia
Nada de você e nem você de mim
Olhos nos olhos nos comprometia
E a gente sentia que estava afim 

Afim, talvez, de rolar aventuras
Tentar preencher nossa solidão 
As primeiras promessas eram de juras
O primeiro beijo de ardente paixão 

Um jeito próprio de nos conhecer 
Em prol do amor tomando cuidados
Que nada viesse pra fazer-nos sofrer
E não nos sentirmos incomodados 

O bem estar, com total segurança 
Amor próprio e o brio conquistado
E a nossa vida com menos cobrança
Sem exigências e sem desagrados 

Ciúme é mortal e está fora de moda
"Disse me disse" é irrelevante
Baixa a estima, magoa e incomoda 
A auto confiança é mais importante 

Pra seu agrado renego o meu jeito
E tu por mim, também faz concessão 
Todo o indivíduo merece respeito 
Faz parte do jogo, do "ego" abrir mão 

És para sempre minha terna menina
Sou para sempre teu terno amado 
Nos reinventamos na nossa rotina
Assim continuamos apaixonados 

Cada um conserva sua identidade 
Sensação de mistério ainda a aflorir
Não temos excesso de intimidade 
Assim a sensualidade vive a existir 

Impossivel, meu bem, editar manuais
Que garantam viver, como antes, o depois
Basta eu e você, sermos individuais
E individualmente, nós sermos nós dois



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.