Isollina Barboza

Cada história tem o lado que contamos

Entre o amor e a prosperidade existia uma amizade amistosa, mas foi na dor da falta que descobriu o seu verdadeiro aliado, com fé, ele foi além dos sentidos, ele renasceu.

Sua força vem de dentro, encontrada no afável ausente, efeito novela mexicana, não foi fácil, mas ele conquistou seus gols.

Todos os lados são iguais, todos os opostos também são iguais, até mesmo comportamentos de evasão e desafios,
em graus diversos, o desafio está aí, não no lado oposto como costuma ser definido, mas exatamente no limite que ultrapassa a fuga do confronto, definindo-os como bons ou maus.

O grau de bondade que nos move não é conhecido com certeza e a definição de amizade mostra que a sua origem está no seu coração, onde é possível se consolar no silêncio e sentir algo mais, superando sentimentos, aquele estremecimento de ver que tudo vai dar certo,
na incerteza de nada saber,
faça tudo que você sabe e procure algo mais.

Se você pode aprender várias lições com situações semelhantes, é sempre relevante saber quem você é entre essas uma história e outra, e se você não consegue se identificar e não é uma regra, não há problema, nunca é.

A liberdade é o maior presente, o que fazemos com ela é o que a define como boa ou má.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.