erhi Araujo

DESSE AMOR

 

 

Sal e flores

salvam a terra em que pisas

alamedas em jardins, abrem filas,

comuna, soberana em seus odores

iluminam à espera... d'outras folhas espelhas

o deserto, as ostras...

entre becos e vielas

um sorriso de moça

sem portas ou janelas

crua aquarela - o mangue, seco sem algas...

sem ninguém que se importa, em virar a tramela.

sal e flores...

que envolta te vi

adoçando as lágrimas,

era noite e trágica, sonhou

eu!!!

me vou que é tarde,

descansa esse amor

pois que tido como parte...

ainda não acordou!

 

DESSE AMOR

                  erhi Araujo



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.