Jucklin Celestino Filho

FESTA DE HORRORES (03/04/21)

O banquete está posto. 

Veio muita gente pra festança.

Mais está chegando. 

 

Na dança dos elementos,

Se atiram os abutres 

Ao resto da carniça.

 

Quanto mais se lambuzam,

Mais querem do butim

A sua parte.

 

Uns, aos outros, se estraçalham,

Na ânsia louca de ocuparem mais 

Espaço, no bacanal que se esgarça.

 

De um lado, os despojos;

Lado a lado, abutres e leviatães 

Insaciáveis , farejando mais carniça!

 

Na festa de horrores: Sábado de Aleluia,

Depois de se esbaldarem na orgia,

Prenderam o justo. Soltaram o Barrabás.

 

E na festança que corre solta...

O traidor, Judas Iscariotes,

Ainda não se enforcou !



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.