AS FLORES MURCHAM II

Jucklin Celestino Filho

As flores murcham 

Nos vergéis da vida,

Deixam feridas 

Que nunca cicatrizam.

Mas ao afago 

Do beijo da brisa,

Logo esquecem

Mágoas doridas!

 

No canto,

Descansa o jarro

Da saudade,

Chora tanto 

A ausência da amada,

Aquela que

Lhe depositava flores. 

São dessas dores 

Que calam fundo:

A recordação 

Que persiste dorida!

 

Amores se vão.

Amores chegam,

E no aconchego

De novas emoções, 

Se entregam

Ao enlevo 

Que ao coração enternece.

 

As flores murcham

Nos vergéis da vida,

Deixam feridas

Que nunca cicatrizam.

Mas ao afago

Do beijo da brisa,

Logo esquecem,

E um novo amor floresce!

 

 

  • Autor: Poeta (Pseudónimo (Offline Offline)
  • Publicado: 1 de abril de 2021 07:23
  • Categoria: Não classificado
  • Visualizações: 22

Comentários1



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.