mestrebicudo

Canoeiro

Canoeiro

Seu moço a minha canoa, eu aprendi a remar

vou remando de vagarinho e não deixo a canoa virar. 

Construída com madeira boa que nas águas não vai se afundara, ela é feita de pau Pereira da madeira do jequitibá. 

Já tropecei nas correntezas e a minha canoa não virou, pois foi feita de qualidade e também tem um bom remador. 
Com ela eu enfrento as correntezas e atravesso o Ribeirão, com ela que eu no banhado pego meu pescado e só peixe do bom. 

 



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.