santidarko

A estrada das flores pálidas

As barras do cárcere,gravadas com suores e dedos;
...compreensões estáticas,diante de um Universo sujo...,cruento com estranhos algoritmos Estelares; em formadas falanges de mecânicos medos.


Amanhãs,em monções liquidificadas com cosmicismo e psíquicos prantos;
... chamas abstratas e quebrantos.



Vagas ..como um Fantasma ainda em ritos da despele,como se a importância de um acaso escrito,o remetesse a razões de um atribulado  imbele.


Vozes de épocas Futuras,tombam ao peso de cansaços;
ás certezas de devassos.
Joelhos, abatidos pelo instinto,
ao dizer do novo e, velho cavalgado recinto.
 



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.