Leonardo Ribeiro

A Dama de Vermelho

Em uma tarde colorida entre a noite e o dia
Um trem de farol velho e falho percorria por um campo escuro
Através dos céus existia uma espiral da lua beijada pelo sol
O maquinista sentiu um aperto em seu peito
Avistou uma dama de vermelho pelos trilhos com um olhar esmeralda
Exuberantes pela escuridão do anoitecer

Temeroso o homem chacoalhou a sua mente acreditando ser miragem
Ocorreu sentimentos mútuos sobre confianças e concordâncias
Olhares tocados por uma Aurora Boreal chuviscada de estrelas
Pássaros estacionaram o tempo e abelhas desabrochavam o seu mel pelas camélias do campo
Instigando a vida em torno de um momento exótico

Após dez anos a memória ressurgiu em pontos de insanidade
Um homem desesperado e submisso ao sentimento da noite inquieta
Desejável
Viajou pelas rajadas do universo e adormeceu
Idealizava um anjo registrando suas reações sobre um trilho de madeira
Por um céu dividido entre o eclipse do universo

Exércitos luminosos percorriam o seu estômago como um efeito borboleta
O pecado cruzou o caminho de um coração amargo
Presenciou uma inconsistência do destino
Tocado por indefinições do que seja real ou delírio
Flamejante como um olhar insondável pelas janelas
Dois feixes de luz esverdeados
Um vestido fino e uma seda oscilante entre as correntes de ar
Enevoando a noite com seu doce êxtase perante as aves noturnas.

Comentários1

  • Shmuel

    ..."Temeroso o homem chacoalhou a sua mente acreditando ser miragem"...
    Belo texto! Confesso que senti um misto de alegria e medinho no decorrer da leitura.
    Abraços!



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.