Marçal de Oliveira Huoya

Ciclos

Agora ela dorme
Olhos passeiam na escuridão
Já foi amada
E mesmo desligada a televisão
Um filme precede o sono
Mas como?
Chegam os murmúrios
Do passado
Suores, suspiros e cheiros
Em gestos apaixonados
Trazem as refregas
Memórias da sua entrega
Quem sabe um outro convidado
Quantas vezes
Os olhos fechados
Respiração ofegante
Um personagem a cada instante
Cavalo ou amazona
As vezes dominada
As vezes dona
Sempre entregando seu corpo
Com prazer ou desconforto
E de novo
A novidade sorridente
Anuncia a alegria de um porto
Enquanto o tempo passava
Em formas e volumes diferentes
Pesos, corpos e almas
Que ela recebia e acomodava
Ora como um costume
Ora como um presente
Amores transitoriamente
Coleção de perfumes
Então seria eterno
Se não fosse passageiro
Os últimos
Sempre serão os primeiros
Mas este será diferente..



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.