Marçal de Oliveira Huoya

Miopia

Tráfico de horrores

Em todos os modos e posições

Em todas as cores e situações

Machos e suas diversões

Mulheres e seus pudores

Dependendo dos seus humores

Risos ou censuras

Pelo olho da fechadura

Debaixo dos cobertores

Tem gente objeto

De modo abjeto

Todos animais

Nos seus pecados capitais

Coletivamente secreto

Quebrando regras sociais

Tudo muito fácil e muito rápido

Lépido e discreto

Num zap de segundo

Ids que saem do seu abrigo

Imagens do fim do mundo

Compartilhadas com seus amigos

Convenientemente míopes ou cegos

Mas basta um dedo na ferida

Que a moralidade revida

Então a festa acaba

Tudo desaba

Adeus férias do superego...



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.