Marçal de Oliveira Huoya

Impermeável

Posso gostar de alguém,
Sem precisar ser refém,
Tenho esta capacidade,
De entrar e sair da cidade,
Sem me sentir culpado,
Nem infeliz ou abandonado,
Posso até estar apaixonado,
De mentira ou de verdade,
Um Poeta é exagerado,
Mas já não sofro tanto,
Sou impermeável a encanto,
Alguém pode me dizer,
Ah um dia você vai ver,
Mas já sangrei demais,
Até ficar chocado,
Coração ferido e machucado,
Há muito tempo atrás,
Talvez menos, talvez mais,
De modo que agora espero,
Com paciência,
O que ardentemente quero,
Perdi toda inocência,
Minha tolerância é zero,
Nada tenho a ganhar ou perder,
Nem alegria,nem tristeza,
Somente o beijo que não vou ter,
O "brilho do olhar que não vou sofrer",
Pelos canteiros,
Vou colhendo as framboesas,
De nada tenho mais certeza,
A não ser este medo ancestral,
A sempre impiedosa natureza,
Que aguarda todo mundo no final...



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.