Sergio Luis Baginski

O outro amanhecer

Noite e a alma repousa em paz

O corpo sonha viver uma nova aurora

Sentir o sabor da felicidade no amanhecer

Café matinal, bom dia especial

Eis que algum ao longe invoca o outro

Despejando uma nuvem de poeira negra

O sol brilha mas sorri apático e amarga tristeza

E o que era para soar felicidade

Faz o dia se tornar sinônimo de atrocidade

Que desfrutável despertar.



Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.