felipe?fernandes

Execução

Eis que nasce o sol e, pela última vez, ilumina o dia
a mim, pois, amanhã, acordarei pelas terras do Hades
O cheiro de morte já ocupa a cela, empesteada pelo odor
de minha carne, já pútrida, que acelerou a decomposição…
pois nem aos vermes dessa terra quero deixar algo.

E a última gota de sanidade que me resta
antes que se dissolva nas brumas da demência
a uso para praguejar com eloquência
a todos que, após minha partida,continuarem a festa

Vamos carcereiro, leva-me, quero logo a honra que poucos têm
de aproveitar, em consciência no cadafalso, os últimos segundos
que lhes restam nesse palco… e, então, aproveitar cada instante
quando, em meu pescoço, a medalha for colocada…
antes que por ela seja alçado.

Sei que é duro o caminho, a noção de destino selado,
Escutar, atrás de si, as risadas da morte que se aproxima,
porém, nada irá me impedir de no fim, em luta frívola pelo fôlego,
livrar-me da covardia que me domou em vida

Ah, vejo o riso esnobe de vós que assistis da plateia
fariseus, fariseus riam enquanto podem
lá debaixo, estarei no aguardo de vosso encontro com o coveiro
agora, deixo que meu último suspiro ecoe por seus ouvidos como a mais bela sinfonia.

um passo, dois, mais um passo lá vem o padre
Oh, justo excelesantíssimo, que com cruz sagrada abençoa,
diga a esse pobre. Quando acabou a moda de soltar o Barrabás?
por enquanto, deixe-me em pecado, ainda quero estar na recepção desses que me condenaram.

Um passo, dois, mais um passo, eis que chega o carrasco
tu aí, quantas vidas a Deus deu, para enviar tantas ao Diabo?
Não responda, mas me atenda um pedido, em mim não coloque o véu de saco e que meu rosto esteja livre quando o brio de meus olhos for se esvaindo
e eu veja a mim se fechando as portas do paraíso.
Ah como o céu está lindo… nesse dia que se dará fim a meu espetáculo.

Comentários1

  • Maria dorta

    Parece mais macabro que poético,mas se te fez exorcizar os demo i os i ternos...valeu!

    • felipe?fernandes

      hahaha obrigado, esse é um trecho de uma história que estou escrevendo sobre um condenado à forca.



    Para poder comentar e avaliar este poema, deve estar registrado. Registrar aqui ou se você já está registrado, login aqui.